The Portuguese Tribune

O FIM DA PANDEMIA? | THE END OF THE PANDEMIC?Free Access

Editorial


 

 

Há um ano por esta altura, tenho a certeza que muito boa gente pensava que a pandemia da COVID-19 não passaria do verão ou na pior das hipóteses princípio de outono. Pois aqui estamos após 13 meses de encerramentos de toda umasociedadeeadoismesesapósapiorépocadapandemia — janeiro de 2021 — com alguns raios de sol e de esperança. Aqui na Califórnia, os novos casos diários continuam a baixar, o número de óbitos, de hospitalizações, e de hospitalizações em cuidados intensivos nos mais baixos níveis desde o início da pandemia. Então parece que alguém tinha razão em dizer há um ano que só se conseguiria conquistar esta pandemia com três coisas — precauções, testagem e vacinas. Algumas das medidas de precaução e restrições tiveram impacto bastante negativo nas pessoas e na economia mas estamos agora numa recuperação devido a esses precauções e ao aumento significativo de testes (57 milhões) e vacinas (23 milhões) neste Estado do Eldorado. Vamos todos fazer mais uma força para acabar de vez com a pandemia e reabrir totalmente a 15 de junho. A ver vamos… Era apenas um miúdo de 5 anos quando um grupo de capitães do Exército português derrubou um regime autoritário e arcaico que até tinha medo da palavra “Liberdade”. E foi um simples gesto de uma senhora — Celeste Caeiro — que levava uns cravos encarnados para o aniversário do Restaurante Franjinhas onde era empregada de mesa, mas que tinha encerrado devido à revolução na rua. Este seu gesto deu o nome a toda uma revolução — Revolução dos Cravos. Um soldado no Rossio no centro de Lisboa pediu-lhe um cigarro mas como Celeste não fumava, deu-lhe um cravo que este colocou no cano da arma de fogo. Um a um, os soldados começaram a imitá-lo! E o resto ficou para a história. Uma revolução sem sangue que tornou Portugal num estado de direito e democrático que ficou consolidado há 45 anos com a Constituição de 1976. Vivam todos os homens e mulheres de bem! Vivam os valores do 25 de Abril! A year ago at this time, I am sure that many people thought that the COVID-19 pandemic would not last past the summer or, at worst, the beginning of the fall. Here we are after 13 months of closure for an entire society and two months after the worst time of the pandemic — January 2021 — with some rays of sunshine and hope. In California, new daily cases continue to fall, the number of deaths, hospitalizations, and intensive care unit hospitalizations are at the lowest levels since the beginning of the pandemic. So it seems that someone was right to say a year ago that this pandemic could only be conquered with three things — precautions, testing and vaccines. Some of the precautionary measures and restrictions have had a very negative impact on people and the economy but we are now recovering due to these precautions and the significant increase in tests (57 million) and vaccines (23 million) in this Golden State. Let’s all make one more push to end the pandemic once and for all and reopen California on June 15th. Let’s see… I was just a 5-year-old kid when a group of captains from the Portuguese Army overthrew an authoritarian and archaic regime that was even afraid of the word “Freedom.” And it was a simple gesture by a lady — Celeste Caeiro — who was carrying red carnations for the anniversary of the Franjinhas Restaurant where she worked as a waitress, but which had closed due to the revolution in the street. This gesture of hers gave the name to a whole revolution — Revolution of the Carnations. A soldier at Rossio Square in downtown Lisbon asked her for a cigarette, but as Celeste did not smoke, she gave him a carnation instead which he placed in the barrel of his firearm. One by one, the soldiers began to imitate him! And the rest is history. A bloodless revolution that turned Portugal into a state of law and democracy that was consolidated 45 years ago with the Constitution of 1976. Long live all men and women of goodwill! Long live the values of April 25, 1974!